Club de
Coromandel

Rotary Club de Coromandel contra o Coronavírus

O Rotary Club de Coromandel, através do Projeto "Distrito 4770 no combate ao coronavirus"com coordenação da Governadora Eliana Moraes, doou à Secretaria Municipal de Saúde de Coromandel vários tipos de EPI's para o uso no Centro de tratamento ao Sintomático Respiratório do Coronavírus. Foram doados: 520 unidades de máscaras de TNT Duplo, 600 pares de luvas e 30 aventais. Através da parceria com o Rotary Club de Coromandel a Farmácia Nacional fez uma doação de 24 unidades de alcool gel 70%. A empresa Cacau Show de Coromandel também sensibilizada com esse momento esteve presente levando bombons aos profissionais da saúde.

Postado em 30 de Abril de 2020

Rotary em Ação - Páscoa Solidária

O Rotary Club de Coromandel em parceria com a Cacau Show de Coromandel realizaram mais uma “Páscoa Solidária - Rotary em Ação”. Neste ano foram doados 100 ovos de páscoa para as crianças que participam dos Grupos de Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos do Cras de Coromandel. Agradecemos e parabenizamos a equipe do CRAS que se dedicou a entregar os ovos e proporcionar alegria junto à segurança e proteção da saúde dos mesmos e de seus familiares. A entrega dos ovos trouxe grande alegria para essas crianças e foi realizada com todos os cuidados necessários para manter seguros todos os profissionais, bem como as crianças neste período de pandemia do Covid 19. 

Postado em 12 de Abril de 2020

Vacinação contra a pólio alcança 100% de cobertura em Coromandel

O município de Coromandel superou a meta do Ministério da Saúde e vacinou 100% das crianças contra a poliomielite, vírus responsável por causar a paralisia infantil. De acordo com Sistema de Informação do Programa Nacional de Vacinação (SI-PNI), foram imunizadas 1.297 crianças, com idade entre 1 e 5 anos, resultando numa cobertura de 100,8% no município, durante a Campanha Nacional de Vacinação, realizada em agosto. O resultado deixa feliz a todos os rotarianos, damas da Casa da Amizade, rotaractianos e integrantes do Rotary Kids que se esforçaram na divulgação da campanha durante todo o mês. A presidente do Rotary Club de Coromandel, Amanda Galdino, afirmou que “é com imensa alegria que recebo a notícia de que atingimos a meta de 100% de cobertura de vacinação na campanha nacional de vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo. Essa vitória foi fruto de um grande trabalho de divulgação realizado pelo Rotary Club, Casa da Amizade, Rotaract e Rotary Kids em parceria com Secretaria Municipal de Saúde. Agradeço aos meus companheiros rotarianos pela dedicação, pois não mediram esforços para que pudéssemos alcançar nosso objetivo. Agradeço também ao Grupo Sorria, Amor e Vida que ajudaram na divulgação e participaram também conosco no “Dia D”. O que foi feito Para estimular a vacinação, os clubes unidos realizaram panfletagem, carreata e divulgação em massa nas redes sociais, além de levarem através da imprensa da cidade a importância da vacinação.Os clubes também percorreram creches e escolas, em parceria com o grupo de ‘palhacinho’ Sorria, Amor e Vida, para levar a mensagem através das crianças.  

Postado em 10 de Setembro de 2018

Campanha Lacre com o Rotary: clubes de Coromandel arrecadam lacres para trocar por cadeiras de rodas

O Rotary Club de Coromandel, em parceria com a Casa da Amizade, o Rotaract e o Rotary Kids, promove a partir deste mês de julho a campanha “Lacre com o Rotary”, com o objetivo de arrecadar lacres de alumínio, que serão trocados por equipamentos para o banco de cadeiras de rodas do clube e outras ações sociais. A campanha “Lacre com o Rotary” consiste na distribuição de garrafas PET em pontos estratégicos, nas quais qualquer pessoa poderá depositar o lacre de bebidas (latas de refrigerante, cerveja, etc.) e contribuir com a ação social. Os organizadores estimam que são necessárias 140 garrafas PET de 2 litros cheias de lacres de alumínio para obter a troca por uma cadeira de roda. Os pontos de coleta serão divulgados nas redes sociais do Rotary e do Rotaract Club. Siga os perfis para ficar informado: Rotary Club e Casa da Amizade de Coromandel (Facebook) Rotaract Club de Coromandel (Facebook) Rotaract Club de Coromandel (Instagram) Para mais informações, entre em contato com o Rotary ou com seus associados.

Postado em 16 de Julho de 2018

Rotary, Rotary Kids e Casa da Amizade dão posse às novas diretorias; Rotaract é oficialmente fundado em Coromandel

Em cerimônia conjunta, o Rotary Club, a Casa da Amizade e o Rotary Kids de Coromandel realizaram a posse das respectivas novas diretorias para o ano rotário 2018/2019 e apresentaram os novos associados, no dia 7 de julho . Na ocasião, também foi oficializada a fundação do Rotaract, bem como a transmissão de cargos do novo clube. O evento contou com a participação do Governador Assistente do Distrito 4.770 - Área XIII, Marcos Antônio Dias, e da Coordenadora Assistente da Casa da Amizade, Denise Maria Regonha Dias; do presidente do Lions Clube, Julio da Silveira; e da secretária de Educação, Vera Lúcia Guimarães. A advogada Amanda Galdino foi empossada na presidência do Rotary Club de Coromandel para o ano rotário 2018/2019, sucedendo a Rafael Borges, que dirigiu o grupo na gestão 2017/2018. Na Casa da Amizade, a professora Pollyana Fabrielle Soares Silva Carvalho sucede Annelisa Vieira de Miranda na presidência da organização. O Rotary Kids terá por presidente Bernardo Henrique Silva Carvalho. Novos Membros O Rotary Club e a Casa da Amizade também realizaram a apresentação de seus novos associados. O Rotary passa a contar com cinco novos rotarianos. São eles o fotógrafo Dolglas Alves Vieira e sua esposa, a professora e cerimonialista Poliana Rodrigues da Costa Alves; o engenheiro agrônomo Eloênio José Sebastião; o gestor Luiz Fernando Madeira Ribeiro; o eletromecânico, Luiz Carlos Dias; e o radialista Pedro Henrique da Cunha Borges. A Casa da Amizade ganhou a adesão da professora de educação especial, Jaqueline da Silva Cunha Borges. Rotaract A jornalista Ana Maciel foi empossada presidente do Rotaract Club na data em que a fundação do clube - voltado para jovens de 18 a 30 anos - foi oficializada. O grupo foi formado há seis meses e, até então, era dirigido pelo engenheiro Vitor Hugo Pereira. Na cerimônia, foram apresentados à sociedade todos os 17 associados do Rotaract: Aline Vieira de Miranda, Ana Cássia Ferreira Maciel, André Fellipe Ferreira da Cunha, Cristiane Rodrigues Rocha, Fernanda Borges de Sousa, Fernanda Ferreira da Cunha, Fernando Henrique Rabelo, Gracielly Laêssa Gonçalves, João Paulo Noronha Araújo, Lucas Eduardo Oliveira Guirra e Silva, Paulo Henrique Ferreira e Silva, Pedro Lucas Rodrigues, Thiago Rodrigues Rocha, Tiago Júnio Rodrigues Souto, Vitor Hugo Pereira, Walyson César Fernandes Cardoso Pereira e Willian Batista Pereira.   Fotos: Jean Alves/Studio Dolgas Alves

Postado em 07 de Julho de 2018

Wakanda Rotária: Jovens negros mostram sua força e sua voz no Rotaract

Enquanto o movimento pela valorização das vidas negras ganhava as ruas no Brasil e no mundo nos últimos meses, um grupo de associados do Rotaract, clube de Rotary voltado ao público jovem, se formava para mostrar a representatividade da população negra dentro do mundo rotário. Filipe Bento, Natália Lopes e Daniel Cerverizzo são de clubes e cidades diferentes, mas se uniram por meio do Twitter para criar um espaço em que os jovens negros do Rotaract pudessem ter apoio mútuo e visibilidade. “Existem diversos grupos (dentro do Rotaract): para vôlei, para direito, xadrez, lgbtqi+. Ou seja, existem diversos grupos, mas por que não um grupo para pessoas negras?”, questionava Natália. Com o mesmo sentimento e necessidades semelhantes, ela, Filipe e Daniel criaram em maio deste ano o Wakanda Rotária. Para quem não sabe, Wakanda refere-se a um país fictício do universo de heróis da Marvel, localizado na África subsaariana. Nação do herói Pantera Negra, Wakanda é o país mais avançado do mundo, social e tecnologicamente. Assim, a referência ao país fictício é carregada de simbolismo para os criadores do grupo do Rotaract. “Tem um termo que a gente usa que chama ‘afrofuturismo’, que é a ideia de se pensar o futuro com um recorte racial. E sempre que a gente fala sobre futuro, a gente tem que pensar em um futuro onde as questões raciais são deixadas de lado, não por negligência, mas porque elas não são mais necessárias. E o filme trouxe essa perspectiva para a gente do ponto de vista estético, onde a gente pode assistir uma obra e ver um futuro onde as questões raciais são ultrapassadas, são superadas”, explica Filipe. Se você não é negro e acha que essa questão de representatividade não é relevante, é melhor olhar os números e pensar de novo. O Brasil é majoritariamente uma nação formada por negros e pardos (56,10% da população, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE), mas eles são minorias em grupos considerados de elite como o Rotary e o Rotaract. No Rotaract, por exemplo, de um total de 8.366 associados brasileiros, apenas 657 se declaram como negros, ou seja, menos de 8% de seus membros. E esse fato faz uma grande diferença para as pessoas negras que já integram os clubes. “No ano passado, no último encontro paulista de Rotaracts, eu lembro que em alguma parte do evento, estavam eu e a Natália e eu falei para ela olhar ao redor e ver quantas pessoas afrodescendentes havia ali. E dava para contar nos dedos”, relembra Daniel. “Em um evento que abrange São Paulo e Rio de Janeiro, dar para você contar nos dedos de uma mão o número de afrodescendentes mostra que tem alguma coisa errada. A partir daquele momento, eu vi que a gente tinha que mudar esse cenário”, explica. Em época de pandemia, e com seus mais de 120 participantes espalhados em diferentes estados brasileiros, o Wakanda Rotária tem realizado seus eventos pela internet. Já foram dois debates, um com o tema “Movimento negro no Brasil: A História” e o outro com o tema “A cronologia das leis brasileiras e seu papel no curso da população negra no Brasil”. Os temas dos debates foram escolhidos por pesquisa de interesse feita entre os próprios membros do grupo. As “lives” têm atraído uma audiência formada por negros e brancos interessados em conhecer uma parte da história do Brasil que fica um tanto escondida no ensino tradicional de nossas escolas. “Tem muita coisa que não se aprende na escola ou que a família não ensina. São coisas que a gente tem que ir e correr atrás daquele ensinamento. Então, a gente sentiu que tinha essa necessidade”, destaca Natália. Além de passar um outro lado da história brasileira, os debates promovidos pelo grupo também visam a ajudar a população negra a entender e a ter maior apoio em situações que, infelizmente, são recorrentes em seu cotidiano. “Como eu vou saber se é racismo, se eu não tenho conhecimento sobre racismo? Como vou saber se é injúria, se eu não tenho conhecimento sobre injúria?, pergunta Natália. “Então, estamos trazendo esse conhecimento desde o início por meio das ‘lives’”. O grupo tem servido como importante base de apoio para seus membros, que agora buscam ajuda uns nos outros quando se veem em alguma situação incômoda gerada pela discriminação. “Depois da criação do grupo, eu me sinto mais seguro em abrir questões com os participantes. Perguntar se as pessoas já passaram por uma situação (semelhante)”, diz Daniel. Para ele, o Wakanda Rotária também deu maior visibilidade aos negros dentro do Rotaract. “Em relação aos outros rotaractianos, eles estão nos enxergando mais. Não somos mais pontinhos pretos soltos, agora, é um amontoado, a gente se uniu”, afirma. Sobre o movimento popular para a valorização das vidas negras, que deu o impulso para a criação grupo, os três acreditam que foi um importante momento de visibilidade midiática para a causa, mas que há questões muito mais profundas a serem atacadas. “Acho que essas ondas têm importância significativa, sim. Elas fazem a gente refletir. Principalmente quem não conseguia enxergar esses problemas na sociedade. Mas, de onde surge tudo isso, a gente não está nem perto de chegar nessas discussões ainda”, avalia Filipe. “Aqui no Brasil, a gente ainda não superou a escravidão. Aqui, a maior parte da nossa população mais pobre é também negra, e não é por acaso. Então, o Brasil tem o desafio gigantesco de se enxergar como nação que foi construída em cima de povos que foram escravizados. Assim como a Alemanha tem vergonha hoje do que foi o nazismo, a gente tem que ter essa vergonha do que foi o movimento escravagista aqui no Brasil, que é uma coisa que a gente está longe ainda de conseguir”, aponta. “Então, acho que essas pautas são importantes, elas trazem uma discussão pontual que é muito relevante, a gente reconhece o valor da discussão, mas, para a gente, está longe ainda, a gente não cria nem uma esperança de que vai mudar muita coisa, porque a realidade é um pouco mais cruel”, diz. Daniel concorda com a colocação do colega. “O Filipe usou um exemplo que é muito bom, a Alemanha. Lá, existem museus, existem monumentos históricos que estão lá para eles sempre lembrarem do que aconteceu. E o Brasil é totalmente o oposto disso, o Brasil tenta esconder, a gente não fala, parece que é um tabu. Existe um silêncio quando a gente fala nisso (a escravidão e suas consequências)”. Dentro do Rotaract, eles acreditam que é possível fazer um trabalho para atrair novos associados negros e fazer com que os mesmos se sintam acolhidos dentro dos clubes. “Acho que o primeiro passo é quebrar aquela imagem de que a família rotária é só para ricos, porque não é. Temos que fazer eventos mais acessíveis, mostrar que a família rotária abraça todo mundo. Nosso trabalho está aí para quebrar essa imagem”, opina Daniel. “Eu acho que nós fazemos a nossa própria representatividade, permanecendo firmes e fortes nos nossos clubes para que as pessoas de fora vejam que existem pessoas negras dentro da família rotária, existem pessoas que têm voz. Eu acredito que esse é um dos primeiros passos, a nossa visibilidade, a nossa própria permanência para que as pessoas de fora vejam que não é só branco, só rico e assim por diante”, conclui Natália.   Daniel Cerverizzo é associado do Rotaract Club de São José do Rio Preto – Inspiração Filipe Bento é associado do Rotaract Club de Ouro Preto Natália Lopes é associada do Rotaract Club de Adamantina Quem quiser entrar em contato com o grupo pode seguir sua conta no Instagram @wakandarotaria. Usando a hashtag #wakandarotaria no Twitter, você encontra as postagens já feitas sobre os debates do grupo.

Postado em 15 de Julho de 2020

Ver todos

Rotary Club de Goiânia faz doação para Corpo de Bombeiros

Buscando reforçar as importantes atividades de auxílio na prevenção e combate à expansão do coronavírus entre os profissionais da linha de frente, o Rotary Club de Goiânia doou ao Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás mil máscaras reutilizáveis e duzentos e vinte e oito frascos de álcool em gel da NUTRIEX, que serão distribuídos para os bombeiros. A breve cerimônia de entrega, na manhã da última quinta-feira (9/7), ocorreu no complexo do Comando-Geral da corporação, respeitando os protocolos sanitários, com participação do presidente do Rotary Club de Goiânia, Fábio Velasco de Azevedo Fayad, do corregedor da Secretaria de Segurança Pública, coronel Sandro Mauro, do chefe da comunicação setorial, tenente-coronel Caramaschi, do subcomandante-geral, coronel Borges e do comandante-geral do CBMGO, coronel Lemos.

Em 13/07/2020 por Rotary Club de Goiânia

Aniversário do companheiro Luiz Hermelino

Hoje 12/07/2020 comemoramos o aniversário do nosso companheiro Luiz Hermelino. Parabéns e Muitas felicidades! #rotary5deagosto #rotaract #rotaryclub #rotaryinternational #rotarybrasil #rotarybrazil #rotariano #endpolionow #distrito4770 #interact #rotariano ##rotarianoemacao#orotaryabreoportunidades

Em 12/07/2020 por Rotary Club de Rio Verde-5 de Agosto

Live de Boteco do Rotary Club de Rio Verde 5 de Agosto

O Rotary Club de Rio Verde 5 de Agosto, realizará a Live de Boteco, com o Cantor Henrique de Oliveira, em prol da ABAL - Associação Beneficente André Luiz - Lar dos Vovôs de Rio Verde e para Grupo Espírita: "Deus, Cristo e Caridade" - Casa Verde.  Venha participar. Prepare seu Aperitivo e venha! A oportunidade de fazer o BEM!

Em 10/07/2020 por Rotary Club de Rio Verde-5 de Agosto

Associação de Serviços a Criança Especial de Goiânia recebe doação do Rotary

Em cumprimento aos preceitos rotários, o Rotary Club de Goiânia realizou ontem, 08/07, a doação de alimentos, produtos de limpeza, álcool em gel e máscaras reutilizáveis para a Associação de Serviços a Criança Especial de Goiânia.  A ação contou com o apoio de parceiros como a FIEG e a NUTRIEX. A ASCEP foi fundada em 1987 e presta atendimento a crianças e adolescentes especiais com deficiências mental severa ou profundamente lesionadas.

Em 09/07/2020 por Rotary Club de Goiânia

Reuniões Terças-Feiras | 20:00
Avenida José Carneiro de Mendonça ,2193 Cep: 38550-000